Quais são os Estágios da Fabricação do Salame?

Olá carnívoros de plantão! Como estão?
O Salame é um dos aperitivos mais gostosos de todos os tempos! Ele está presente em bares, restaurantes, churrascos, festas e afins para abrir o seu apetite para o prato principal, dando sempre aquele gostinho de quero mais!
Baseado nisso, o içougue resolveu trazer para vocês a simples pergunta: “Quais são os estágios da fabricação do salame?”
Vamos descobrir juntos?

 

QUAIS SÃO OS ESTÁGIOS DA FABRICAÇÃO DO SALAME?

O salame é um petisco muito usado em sanduíches, entradas e receitas. De origem italiana, ele é associado aos camponeses italianos e reconhecido como um alimento duradouro, capaz de durar ao todo 1 ano em temperatura ambiente! Reconhecido também como alimento suplemento para utilizado em períodos de seca e escassez de carne fresca.     
Assim como o presunto e a mortadela, o salame é um dos alimentos caracterizados e preparados como “alimento charcutaria”. Esse termo é utilizado para designar a produção de alimentos para a preservação, podendo ser aplicados meios como defumação, desidratação, fermentação, cozimento entre outros.
O salame pode ser feito de diversos ingredientes e ter inúmeras variações, porém, o tradicional geralmente é feito de carne suína ou bovina cortada em pedaços, sal, vinho e especiarias. Em sua maioria, é utilizado cortes como Panceta e Paleta, que são colocadas em temperaturas baixas para que as bactérias que possam estar presentes após o abate sejam exterminadas.

Os estágios da fabricação do salame são simples: Moagem e Tempero, Introdução de Bactérias e Secagem.

Moagem e Tempero
A primeira fase é a trituração da carne e o acréscimo de condimento. A fórmula padrão seria uma mistura de 75% de carne e 25% de gordura. Essa mistura é moída até obter uma consistência lisa e misturada com uma variação de temperos, tais como pimenta, sal, sementes de erva doce entre outros, que variam de receita para receita. Também deve ser adicionada a mistura, a quantidade exata de nitritos, pois evita que algumas bactérias nocivas sobrevivam.

 

Introdução de Bactérias
A adição de bactérias é essencial para o processo e estágio da fabricação do salame, pois são essas boas bactérias que removem a umidade da carne e formam a textura que você conhece como salame. A forma mais comum de fazer isso é adicionar uma cultura de fermento para a carne e os temperos, deixando-o curar por aproximadamente 48 horas a 30°C. Logo, essas bactérias boas criarão o ácido láctico, o bastante para impedir que as bactérias ruins tenham qualquer progresso, garantindo assim, uma carne própria para consumo. 

 

Secagem
Após o processo de introdução de bactérias, a carne é aplicada em um invólucro natural e pendurada para secar. Essa secagem deve ocorrer em um ambiente úmido, quente e com muita circulação de ar. Após um período de 30 a 70 dias, dependendo do tipo do salame, o mesmo pode estar pronto. Não se assuste caso obtenha mofo em volta, é absolutamente normal.  

 

E aí, o que acharam dos estágios da fabricação do salame? Loucura, não é mesmo? Agora já sabemos o porque de ser tão gostoso!
Continue acompanhando nosso blog para mais matérias e curiosidades sobre esse mundo carnívoro!
Até o próximo post!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar HTML tags:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>