Manifesto do Julio Nadim

Manifesto Julio Nadim

O Brasil com certeza tem a uma das melhores carnes e vegetais do mundo.

O clima, a cultura e a riqueza da nossa biodiversidade trazem para nossa casa, em abundância, os mais variados cortes e a maior variação de verduras, legumes, tubérculos e hortaliças se assim os desejarmos.

Mas o que temos feito com eles?

Na mesma proporção que essa demanda, cada vez com maior e de melhor qualidade, aumentou: Nós reduzimos.

Reduzimos a nossa capacidade de criar e transformar. Deixamos de compreender e conhecer o alimento. Deixamos de ousar.

O homo erectus, nosso antepassado primitivo, teve que se virar para descobrir o fogo.

O homem moderno, por sua vez, se esforçou para desaprender a utilizá-lo.

O fogo é o complemento da carne, e do que é produzido pela terra, eles foram feitos para serem um só. É ele que tranforma e é através dele que o homem descobriu sua nova forma de alimentação. Não mais como pura e simples necessidade fisiológica, mas como modo de vida, como uma das característcas mais marcantes que definem sua cultura. Como identidade: Não é à toa que dizem por aí que somos o que comemos.

Seja em um fogão convencional, uma fogueira, uma churrasqueira simples ou uma parrilla profissional, precisamos redescobrir a carne, o alimento como um todo e a riqueza de sua versatilidade. Sair do convencional nos leva a conhecer de verdade o que estamos cozinhando.

Minha proposta nesse blog é discutir os pontos de cocção, perceber as nuances, conhecer pelo cheiro, ressignificar velhos hábitos. Trazer técnicas da cozinha tradicional, passando pelos caldos e bases clássicos e seus processos até  combiná-los com a intuição de uma cozinha rústica e simples. Não é unir o útil ao agradável, é unir complexidade à simplicidade de uma forma acessível e simplificada a todos.

Vamos conversar sobre o alimeneto. Do cultivo à finalização de um bom prato, acompanhado de um cozido ou um assado. Lembrar a todos que o maior companheiro de um bom corte de carne são os vegetais. Esses, juntos com o fogo e a carne formam a cortina de fumaça que tiram a trave dos olhos da humanidade.

Portanto,

Barasa e fogo baixo: Paciência.

Chama, deixe direto no fogo: Competência

Defume, não tenha medo, faça: Onde há fogo, há fumaça.

Cozinha simples, é cozinha de vó: Comida boa é comida de uma penela só.

 

Chega de falar, vamos cozinhar.

 

Compartilhe esse artigo nas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error

Curta nosso Blog! Espalhe o sabor da carne por aí!